quinta-feira, 5 de agosto de 2010

   TRECHO DO LIVRO "EXÍLIO ESPIRITUAL NA IGREJA"

   Estamos vivendo sim dias difíceis, mas não podemos ficar presos a situações mal resolvidas. Somos crentes salvos em Jesus e precisamos ser exemplos e referenciais a serem seguidos pelos demais. Eu sei do que falo, pois já vivi em situações de desertos e vales espirituais e já estive um dia exilado espiritualmente e em grandes dificuldades, mas nunca desisti verdadeiramente de lutar, pelo contrário, cresci em meio às falhas e aprendendo com as adversidades e erros. Procurei ser sempre sensível a Deus para ser usado por Ele e desejei do mais profundo do meu coração verdadeiras transformações, que foram ocorrendo com o tempo e sei que há muito ainda por melhorar, mas o importante é desejar regressar do exílio para os braços do Deus todo poderoso. No começo da minha fé, mais precisamente no ano de 2003, um ano depois de haver regressado do exílio do mundo para a Igreja, eu vivi em meio às minhas dificuldades de recém chegado uma das experiências mais belas que já tive até hoje. Não tinha muitas forças para prosseguir e procurava libertar-me e livrar-me de muitas coisas que o fardo pesado do mundo joga sobre os ombros, e quando chegamos à igreja, seja novo convertido ou reconciliado, como foi o meu caso, chegamos carregando esse fardo e às vezes é tanta coisa que leva tempo para um processo completo. Mas no ano de 2003, Deus me mostrou que eu podia crescer e que Ele pode nos usar em meio a exílios espirituais, quando desejamos sair deles para viver uma vida plena na Sua presença.
   Era um domingo à noite, dia 12 de outubro de 2003, quando meu irmão Eliel, que ainda estava fora dos caminhos do Senhor regressou novamente aos braços do Pai juntamente com sua esposa Josiane. Eu participava do coral de jovens da Igreja e todos os sábados e domingos nós cantávamos, algumas vezes também depois da pregação, na hora do apelo. Os nossos ensaios eram no sábado à tarde e foi no ensaio de um desses sábados que eu indo sozinho para casa senti quando o Espírito Santo falou comigo para fazer jejum durante o dia de domingo. Ele simplesmente me pediu para fazer o jejum e eu obedeci. O domingo chegou e lá estava eu o dia todo jejuando. Obedeci à voz do meu Senhor e fiz o que ele me pedira na tarde de sábado. Eu lembro que nesse tempo meu irmão estava sendo despertado e havia um trabalhar do Espírito Santo em sua vida porque eu ia para os congressos na região, como Ortigueira, Mauá da Serra e outros e ele com a minha cunhada sempre me levavam de carro, mas nunca ficavam, porém num desses congressos, em Mauá da Serra devido à distância ser muito grande e eu não ter condução para voltar, eles ficaram e participaram dos cultos e creio que foi nessa ocasião que Deus o tocou fortemente e a partir daquele dia ele começou novamente a frequentar os cultos, na Igreja Batista Betel, Igreja a qual eu pertencia na época. Naquele congresso em Mauá da Serra pregou o Pr. Marco Feliciano, à noite, em uma mensagem poderosa que ele falava a respeito dos dias maus e ilustrava a mensagem com a história de vida e ministério do rei Salomão. Dedos de Davi estavam cantando nesse congresso e lembro que ele até comprou alguns cd’s naquela ocasião. Depois disso, houve um mover de Deus na vida dele e da minha cunhada e então eles começaram a ir aos cultos na Igreja Batista Betel, e não teve escape.
   Mas o que tem a ver o jejum que eu fiz com tudo isso que escrevi?
   No domingo em que jejuei fui ao culto normalmente como nos outros dias, porém ainda me questionava sobre o porquê daquele jejum. O culto estava tremendo. Durante o culto foi muito difícil para mim, pois novo convertido ainda, muitas acusações de pecados começaram vir a minha mente e veio um desânimo e uma vontade de sair daquele culto e ir para casa, que quase não pude suportar. Satanás não sabe dos planos de Deus, mas ele como um grande psicólogo prevê o que está para acontecer e queria que eu deixasse o culto e fosse pra casa, mas com a ajuda do Espírito Santo consegui suportar tudo e fiquei. Naquela noite cantei no coral como sempre. Chegou a hora da pregação. O convidado daquela noite era na época o Pb. Luis Haffman, homem grandemente usado por Deus na cidade. Ele pregou no texto que já mencionei de Habacuque 3.2: “Aviva ó Senhor a tua obra no meio dos anos e no meio dos anos torna-a conhecida”. No final da mensagem ele então faz o apelo para salvação e para a igreja. O coral em que eu cantava se posiciona ao lado direito do púlpito para cantar. Enquanto estávamos ali, as pessoas começam ir à frente. O poder de Deus continua a invadir a igreja de uma forma grandiosa. O pregador continua a insistir no apelo para salvação de almas e jamais esqueci quando ele faz uma chamada novamente para aqueles que desejavam aceitar a Jesus ou se reconciliar quando eu olhei para um dos corredores da igreja e vi meu irmão vindo à frente de mãos dadas com minha cunhada para se reconciliar. Naquele instante, quando vi aquela cena, instantaneamente o Espírito Santo fala novamente ao meu coração e diz: “Eis aí o propósito do teu jejum.” Eu não sabia o que fazer. Despenquei em lágrimas diante do púlpito e pude agradecer a Deus por tudo que ele havia feito naquela noite. Eu jejuei sem saber o motivo do jejum, mas Deus é fiel e ele sabe o que faz. A grande questão é: e se eu não tivesse obedecido à Sua voz e não tivesse jejuado? Não sei o que aconteceria. E se eu tivesse deixado o culto e ido embora quando satanás começou a lançar acusações do passado em minha mente. Então naquele momento ali diante do púlpito pude chorar e abraçar o meu irmão e a minha cunhada, pois já estava orando por eles desde que eu havia voltado para a Igreja, e definitivamente ver toda a nossa casa servindo novamente ao Senhor. Com certeza, resposta também às orações dos meus pais e início do cumprimento das promessas de Deus na vida do meu irmão e da minha cunhada.

Um comentário:

  1. Paz!!! Acabei de ler seu livro nesse exato momento e gostei muitissimo,me identifiquei com os "exilios" e muitos "grilos" e vc relatou e foram são situações que também passo. Você usou de suas dores e feridas para servir de lenitivo para outros. Deus te abencõe. Como faço para adquirir mais dos sues livros que muitos cristãos, assim como não passam por isso e precisam de uma palavra de ânimo. Joelam Freitas

    ResponderExcluir